quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Post pré-ano novo.

A ideia é começar um ano novo melhor que o ano recém-acabado. Mas não quero fazer muitos planos. Planejar não basta, tem que fazer acontecer. Meu 2008 não foi nem de perto dos melhores, mas nada de reclamar. Hoje só quero pedir paz e serenidade, tranquilidade pra pensar sem se deixar influenciar por acontecimentos ambientais e minhas crises neuróticas.
Escrever muito é o que eu quero e é o que já está acontecendo. Muitas coisas surgindo. Ideias fluindo levemente. Algumas crises emocionais influenciando um pouco, mas escrever sempre ajuda.
Acho que 2009 será um ano muito diferente de qualquer outro. Me sinto preparada para outras coisas que pra muitas pessoas é muito simples, mas pra mim não costumava ser. Hora de abrir o coração e deixar fluir. Fazer fluir e acontecer, durar.
No momento, só quero escolher uma música pra tocar na hora que o ano estiver virando.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Do zero.

Meus projetos andam favoravelmente bem. Porém, alguns ajustes saíram do meu controle e eu resolvi fazer do zero. Perfeccionismo chato. Mas tô bem sem pressa pra começar, estou aguardando a pesquisa de campo. Mas lá se vai minha história toda virar um "documentário". O diferencial vai ser fazer não ficar com cara de documentário.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

A música e as sensações.

Não adianta tentar negar, a música da sua playlist revela exatamente o que você está sentindo. E mesmo que você tente dar uma enganada nos próprios sentimentos, a música vai também te enganar um pouquinho.
Ah... ok. To muito sentimental pra escrever sobre isso agora. Tipo... curtindo uma balada Love Hurts.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

!Pedaços!

Os meus lábios pedem seu toque
Sutil e Suave
Como se fosse o primeiro...
A minha língua pede seu toque
Agressivo e Selvagem
Como se tivesse a espera...

A minha pele pede o envolvimento
Mãos no pescoço que se contorcem
E se deixam envolver...
O meu ouvido pede suspiros
Boca na boca que não se abafam,
Apenas se encostam por prazer...

No momento sinto em mim um desespero!
Como posso sentir e não poder fazer nada?
Agora estou em pedaços porque sinto,
Sinto falta do que nunca tive...
Sempre deixo passar meses em branco no blog. É incrível como eu consigo ser menos impulsiva aqui. No Twitter eu sempre reclamo que não tem espaço suficiente pra dizer tudo que eu quero, às vezes. Mas nem isso me faz vir até o blog.
Talvez porque ele seja meio secreto, super discreto. E, algumas vezes, as coisas que eu quero escrever eu também preciso que sejam lidas por determinadas pessoas. Ao mesmo tempo que essa coragem não existe. Fato.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Happy!

Nunca estive tão feliz em voltar pra casa. Nunca tive tanta pressa. Nunca pensei que pudesse aprender tantas lições de vida em tão pouco tempo, nunca pensei que fosse pensar tão cedo: minha mãe tinha razão!
Tantas lições pra tão pouco tempo. Mas agora, alivio. Nunca pensei que me sentiria tão mal e tão frágil diante de algumas situações. Uma coisa é certa, a gente nunca vai encontrar um convívio tão bom quanto dentro da própria casa.
Não retorno de cabeça baixa não, pelo contrário. Fico feliz por ter tomado essa difícil decisão, por mais que as pessoas pensei que eu fui fraca e não aguentei. Isso jamais me perturbou. O que importa é ter a consciência tranquila.
Eu é quem vou colocar a cabeça no travesseiro e dormir bem.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Viagem

Mais de uma semana depois do fato ocorrido, vim para contar detalhes. É que fiquei sem Internet na agência, além de estar numa correria danada por aqui.
Sábado, dia 16 de Agosto, acordei super cedo, 3h da manhã com um carinha me ligando, vê se eu posso. E pegamos a estrada rumo à fronteira com a Bolívia. Quando o sol começou a aparecer, fizemos uma parada em uma padaria que é ponto de parada oficial para tomar café da manhã.
Chegamos à Cobija às 8h da manhã, entra e sai de loja, olha preços aqui e ali. A única coisa que eu achei interessante mesmo foram os notebooks, porque de resto, era tudo daquelas mercadorias made in china. Mas também nem me animei com notebook, já passou minha intenção em adquirir um.
Almoçamos em Brasiléia e seguimos rumo a Xapuri, seringal cachoeira. Chegando naquele sol de rachar, nem vi um pingo de floresta, não do jeito que eu imaginava. Nota: o seringal Cachoeira e arredores é onde aconteceu toda a história de Chico Mendes. Lá acompanhei meu tio, fazendo fotos das entrevistas que ele estava fazendo para acrescentar na segunda edição do livro dele. Entre essas pessoas, dona Cecília, matriarca do seringal e tia de Chico Mendes e o primo dele, Miguel.
Depois do "trabalho" fui pra casa de um seringueiro, Nilson, em que ficamos hospedados. A casa era um sobrado de madeira, bem confortável, porém eu não achei tão fresca quanto meu tio comentava sobre as construções. Mas na verdade, a culpa é do clima mesmo, que é quente de mais. A floresta é totalmente quente durante o dia. Ah! E a casa fica bem no meio do mato mesmo. Cheio de borboletas e Caba (parece uma abelha). Eu não precisei dormir em rede, dormi no quarto da filha do casal, porque fui considerada uma visita especial, tá bom então.
O fato mais curioso da viagem ocorreu no início da noite, quando cheguei das entrevistas, morrendo de calor, suja de terra, cansada... O fato era que: não havia chuveiro na casa. O banho teria que ser num igarapé, há uns 200 dentro da mata. No escuro! Eu não ia sozinha de jeito nenhum, fui com meus primos e tomei banho de roupa mesmo, a única luz era uma lanterna. A água fria nem parecia tão gelada porque o calor era infinitamente maior.
Depois do banho, jantar e dormir. Pela primeira vez, fiquei com vergonha de comer na frente dos outros. Na mesa, haviam apenas colheres como talher eu fiquei por alguns instantes pensando, como eu vou comer carne com colher!? Fui comendo, com dificuldade, o arroz e feijão esperando até que alguém pegasse a carne com as mãos... Até que observei minha tia partindo a carne com a colher mesmo, então foi assim que eu fiz, fiquei lá lutando com uma colher contra um pedaço de carne, que fui descobrir depois que era porco do mato, mas parecia filé. Definitivamente, não me senti confortável comendo de colher e fiquei com vergonha porque eles perceberam que eu sou adepta do garfo e da faca. Não só pela carne, mas a comida toda em si.
Na hora de dormir, super tranquilo. O calor já não era tão insuportável, não tinha mosquitos nem nenhum inseto me incomodando. Apenas no meio da noite, um frio de matar. A sorte é que tinha um cobertor por perto. Mais tarde, acordei de novo ouvindo barulhos estranhos. Parecia um rugido, mas pelo que sei onças não ficam rugindo por aí.
Lá na mesma casa também estava hospedado um biólogo. O cara saía as 11h da manhã e voltava às 3h da manhã. Tentando fotografar onças, detalhe que o cara esta lá desde abril e pegou apenas 3 onças.
No domingo acordei cedo, mas enrolei até as 8h da manhã na cama. Não tinha nada pra fazer mesmo... Mais uma entrevista, depois uma palestra pros jovens do seringal e fomos rumo a Xapuri. Almoçamos por lá, conheci a casa de Chico Mendes e voltamos pra Rio Branco.
fotos no meu Flickr.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Mudanças

São apenas duas semanas de vida nova, mas as coisas vão mudando bastante em tão pouco tempo. Pra começar, duas semanas sem fumar. E não sinto aquela vontade... Quando passa alguém fumando eu acho o cheiro horrível, a única vontade que me dá é totalmente estética, de segurar um cigarro. Mas totalmente controlável.
To tomando muito menos refrigerante também, lá em casa (por enquanto estou morando com um tio) tenho um primo que não pode tomar coca-cola, então refrigerante nem entra lá. Só tomo quando eu compro antes de vir pra agência. Ou quando o pessoal aqui compra pro lanche :P
A academia vai uma maravilha, eu achei que ia demorar horrores pra conseguir fazer exercícios decentemente, também, fumante durante seis anos. Mas meu fôlego tá bem legal. Me arrependo de ter abandonado minhas atividades atléticas no 3º ano. Deveria ter continuado com o handbaal, natação... Tudo bem que eu acho que teria ficado um monstro de grande, porque eu já sou bem grande. Mas é só não exagerar né.
Sem contar na cabeça, que já muda bastante também. É nessas horas que você dá mais valor aos pais, as pequenas mordomias que você tinha em casa e se arrepende de várias coisas que fez e que deixou de fazer. Mas é assim, de uma maneira ou de outra você aprende.

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Odeio pressão, mas no fundo eu acho que as coisas funcionam melhor assim. É claro que eu conheço meu rítimo, gosto de fazer alguma coisa, dar um tempo, dar mais uma olhada pra ver se eu gostei mesmo. Hoje eu até achei que seria um dia tranquilo. Mas começou logo uma manhã bem agitada. Tenho um caderno inteiro de jornal pra revisar e agora ganhei um comercial pra dirigir. Isso mesmo, vou dirigir sozinha.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Sempre que eu tô longe da internet me passa pela cabeça um monte de coisas legais pra escrever, mas é só sentar e abrir a página de postagem que não passa nada pela cabeça.
Enquanto isso, vou deixar o link do meu FLICKR

E é isso, to criando coragem pra vir de bicicleta pra agência, certeza que gasto bem menos tempo que andando de busão. O foda é o sol, haja protetor.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Malhando...

Ontem, quando voltava pra casa do trabalho, entrei numa academia e fiz minha matrícula. Comecei ontem mesmo, e cheguei à conclusão que se eu fosse a Machu Picchu hoje, eu não aguentaria subir até lá. Porque além da falta de preparo físico tem a questão da altitude né. Imagina, se em La Paz já passo mal, quem dirá Cusco e Machu Picchu. Vamos preparando enquanto isso.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Longe de casa, há mais de uma semana...

...milhas e milhas distante do meu amor.

Será!? =P

Já dei uma boa passeada pela cidade. Já está até dando pra dirigir sem me perder, claro que, indo para lugares conhecidos apenas. Sexta fui à Expoacre, uma feira anual que tem exposição de todos os tipos, produtos da região, animais e produtos agropecuários, carros, etc. Tem shows também, mas nem fiquei pra nenhum. Edson e Hudson já deu a cota de um ano pra mim.
Sábado fiz trilha, visitei o Horto Florestal, museus, centro da cidade, fui a um parquinho levar meus primos, fotos, comi pizza, muitas fotos! E no domingo visitei o parque Chico Mendes, que não é exatamente o que eu imaginava. E pra finalizar festinha infantil comer mtos doces.

E hoje estou aqui, na agência, arrumei algumas coisas que faltavam pra um roteiro. Por um momento achei que ia levar uma bronca, pela cara que o chefe entrou aqui. Ele estava realmente de cara porque não saiu um encarte que a agência faz num jornal. Mas, ele passou pra mim a responsabilidade de ver tudo relacionado ao encarte.
=)

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Quase uma semana longe de casa!

Por incrível que pareça, acordar cedo não é a coisa mais difícil. Ficar sem fumar também não. Já se foram seis dias, e nem senti vontade ainda. Tudo bem que não tem gente fumando perto de mim. Hoje tomei coca-cola aqui, achei o gosto meio diferente, ela é fabricada em Porto Velho, mas depois de matutar um pouco pensei que o gosto diferente pode ter sido por causa do anti-séptico de limão que eu usei (a coca tava com um leve gosto de sprite). Vou ter que tomar de novo pra confirmar.
Nem to achando ruim andar de ônibus. Realmente é bom ter o que fazer! Como hoje já é sexta-feira, é dia de sair e conhecer mais a cidade. Preciso tirar fotos, desde que cheguei não tirei nada ainda!

Até o próximo post!

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Retornando das catacumbas

Depois de um certo tempo, eis que retorno às postagens do blog. Tinha pensado em criar um novo, porque tenho, agora, diferentes finalidades para um blog. Mas, resolvi que vou continuar com este mesmo, apagar algumas postagens, ou todas.
A partir de agora é vida nova!

domingo, 2 de março de 2008

MSn

O resultado de quando se tem dois computadores na mesma casa, ou melhor, sala.

[Passando mal, desculpa se eu não falar muito :S] Magá Fanel. Je t'aime, prince. xD~~ says (01:43):
Sabe que música tá na minha cabeça?
Catedral - Meu Bem. o.o'
- Kaká - says (01:43):
ó meu bem
to ouvindo vc cantar
idiota!!
[Passando mal, desculpa se eu não falar muito :S] Magá Fanel. Je t'aime, prince. xD~~ says (01:43):
Tá tão alto assim?
- Kaká - says (01:44):
eu n to ouvindo nada no pc, to usando headphones a toa!

Um monte de coisas pra fazer...

Xingar pessoas com pensamentos inúteis em comunidades do orkut às vezes faz bem pra aliviar o stress.
Porque os donos de agência não mandam um e-mail dizendo: -Oi, recebi seu e-mail, estaremos avaliando seu curriculum. Ou mesmo: -Oi, não achamos você qualificada o suficiente... ? Pelo menos eu não ficaria nessa expectativa.


E blé.

Preciso de um carro também. Tá, não preciso tanto assim, tem um aqui na garagem de casa... Mas sabe quando você precisa do SEU carro, pra não ter que dar satisfação de nada? Bem, mas antes eu preciso de um emprego.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

sem título hoje

Uh... estou passando por uma extensa crise difuso-emocional (tipo, inventei esse nome agora). Acho que é porque faziam longos 3 meses que eu não tinha nada dessas coisas de mulherzinha. O fato é que: preciso me lembrar de não assistir NADA em períodos assim. Hoje de manhã chorei horrores assistindo um episódio de um seriado. E a tarde um filme (Juno, que gostei bastante aliás).
Ambos abordam sobre crianças e talz, ultimamente isso me deixa muito muito emocional.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

O vendedor

Já falei do quanto eu adoro ir comprar tinta de cabelo na loja de cosméticos? Já sou até cliente especial!! Sem contar que é uma das pouquíssimas lojas que tem um vendedor gatinho. E que não é viadinho. Não sei porque, mas toda vez que chego lá ele já separa a água oxigenada, e agora já está até separando a tinta, porque eu parei de mudar de cor né. Gosto dele porque ele estaciona o carro pra mim (não que eu não consiga, mas aquela coisa, eu paro o carro atrás de alguma velha que não sabe aproveitar vaga, e qdo ela sai ele vai lá e arruma o carro) e tb n fica dando dicas, vendedoras mulheres são metidas a entender de cabelo, principalmente de tinta, e eu odeio palpite.

Carnaval...

Alguns procuram beber até cair, outros procuram encontrar um amor... Bom, a única coisa que eu descobri no carnaval é que eu não nasci pra casar.
Estranho, mas verdadeiro. Ir "comprometida", juntamente com o cara passar o carnaval, fez com que meu récorde de duas semanas caísse para dois dias... Em dois dias eu consegui enjoar plenamente de um cara. Mereço?