quarta-feira, 28 de outubro de 2009

O texto abaixo é fictício, uma parte de uma das histórias que eu comecei a escrever.

A insônia bateu como um cão abandonado vagando pela noite. Sinto meu corpo ardendo em chamas, como se algo mais forte que eu me colocasse para fora do colchão. São tantos pensamentos me atormentando.
Meu mp3 player não toca nenhuma música até o fim. Impaciência. Impaciência quando nada me espera. Sou apenas eu, por mim e para mim. Eu também não espero ninguém, ao contrário de qualquer romance, essa história é solitária. Não busco nada em ninguém. Ninguém é suficientemente bom pra mim. E eu não me sinto boa em nada.
É como se eu não esperasse nada da vida, nem ela de mim. Estou inerte à qualquer acontecimento. Minha rotina não me alegra, mas, até então, não era capaz de causar nenhum desgosto.
Me sinto uma ameba.
Eu sou uma ameba. Nada.
Não faço diferença nem tento fazer. Tudo que eu tenho são sentimentos ocultos, que nem eu mesma sou capaz de me motivar e colocá-los em prática.
Tenho sonhos e desejos ainda. Secretos, mas não são impossíveis. Vivo num mundo que eu fantasio. Algumas pessoas ainda acreditam em mim. Ainda.
Hoje eu sinto que cada dia que passa eu perco o interesse pelas pessoas e elas por mim. Aos poucos venho tentando parar de me enganar e sendo verdadeiramente autêntica. Sim, porque na visão dos outros eu tenho uma grande personalidade o que não passa de fachada. São coisas que eu criei. Apenas.
Há momento de grande revolta que tenho pensamentos incríveis, mas a covardia me impede de colocá-los em prática.
Covarde.
Será uma doença? Modernidade? Ou apenas medo e covardia?
Conformismo. Me conformei que me sinto muito bem solteira, mas nem sei se é o que eu sinto de verdade, ou se é medo de ser rejeitada.
Eu sempre fui bem resolvida no quesito relacionamentos. Podia não ter grandes paixões, mas nunca estava sozinha. Até que me vejo, hoje, com total falta de interesse em me relacionar com o sexo oposto. Nem me imagino com alguém. Talvez eu apenas tenha que resolver outras questões primeiro. Sobre mim pra depois me relacionar com outro ser.
Bipolaridade? Já pensei na possibilidade, mas nos últimos meses eu não tenho picos de alegria e tristeza. Eu simplesmente não estou. Depressão? O pior é que eu ainda consigo ser auto-confiante de mais para ter depressão. E, como já disse, sou covarde de mais também.
Diversas vezes tive vontade de me cortar, para a dor física se sobressair à dor que eu não sei de onde vêm. Já tive a navalha em mãos, mas a coragem nunca veio.
Covarde.

sábado, 15 de agosto de 2009

AS coisas não podem funcionar cada um fazendo como quer e como bem entende.
Tem que existir o comum.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Morar junto.
Ficar junto.
Acordar junto.
Dormir junto.
Morgar junto.

terça-feira, 28 de julho de 2009

Alma de criança, olhos brilhantes.
Um olhar encantado, encantador.
Sorriso doce, peito corajoso.
Simpatia esbanjada, dissimulada.
Esperto e ágil. Ao mesmo tempo frágil.
Rebolado litorâneo, perdido no cerrado.
Anda sem pressa, sem planos.
Despreocupado, meu garoto de olhos brilhantes.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Ele chega com pinta de galã. E vem me contar sobre as mil garotas que caem aos seus pés. Mas a verdade é que ele não vive sem mim.
Ele até tenta manter a pose de durão, mas acaba sempre em meus braços. Essa história começou arrebatando meu coração, mas hoje eu consigo ser um pouco mais racional.
Às vezes pede um pouco mais de espaço, diz que estamos muito juntos. Mas acaba aparecendo de surpresa e na despedida diz até amanhã.
Ele até tenta ser durão, mas a verdade é que não consegue viver sem mim.
Eu não me importo, eu gosto dele assim.
Alguns amigos me alertaram, mas eu simplesmente não quero escutar. Eu sei as coisas erradas que ele faz, mas pra mim ele é um príncipe. Porque se alguém não consegue viver sem você, mal nenhum ele pode te fazer.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

cansada do marasmo da cidade, cansada de algumas pessoas que não dizem a verdade na cara.
cansada de ficar controlando meus sentimentos. eu sempre pulei de cabeça do penhasco e nunca me arrependi de ter me arrebentado...
eu sempre gostei de viver até o fim, viver intensamente tudo q eu me proporciono.
sou mais louca do que eu mesma imaginava. mesmo com toda essa cara de santa, essa cara de mocinha, burguesinha.
eu sou a mais sóbria, não utilizo entorpecentes pra viver minhas fantasias. minhas fantasias são reais, minhas alucinações são palpáveis.
eu tenho sede por loucura, loucura incomum, nada dessa vida junkie que qualquer um encontra em qualquer esquina.
eu ainda consigo espaço pra ter autenticidade nos meus atos. diferente da patota que anda toda junta.
não quero ser do grupinho, e nem preciso.
eu só preciso de poucas pessoas, algumas eu já tenho e não preciso que nada mude. algumas outras eu só queria que elas mudassem um pouquinho por si mesmas, não por mim. não façam nada nunca por mim, porque eu só faço por mim mesma.

eu comecei falando de amor, terminei falando de vida social. mas é aí que cabe a questão. para algumas pessoas, um influencia o outro.

terça-feira, 30 de junho de 2009

Não existe melhor forma para expressar um sentimento que um sorriso. Os olhares se encontrando lentamente nos primeiros raios de sol. O cheiro de terra molhada vindo da janela. Tudo isso cabe num sorriso.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Pela janela do quarto, quem é ela?




Pela minha janela nada posso fazer. Todas as saídas parecem trancadas. Vivo num mundo dentro de outro mundo que, por sua vez, fica dentro de outro mundo. Tantos obstáculos, será que meu super herói tem tantos super poderes?
O segredo para abrir as trancas está no silêncio e obediência. Aceitar qualquer ideia e julgamento que seja posto diante de mim. Submeter-se.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Queria ficar vendo você dormir por horas e horas. Te acordar com um beijo e uma xícara de café. Depois do café fazer amor bem gostoso, enquanto o sol tenta invadir o quarto. Passar mais um tempo juntinhos, quentinhos e começar o dia bem.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Leve
Me sinto leve e segura.
She don't lie, she don´t lie, she don't lie...
Gosto da sua embriaguez, ela tira seu medo...
Me sinto idiota também, pelos momentos de medo que precederam sua chegada
Mas ao redor dos seus braços todo medo desce pelo ralo, sem fazer nenhum questionamento.
Você me aquece, me adormece...

terça-feira, 2 de junho de 2009

A little more emotion.
A little less devotion.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Acho que é coisa de "escritor", bem lá no fundo temos esses sentimentos exagerados, extremados até de mais algumas vezes. E eu já começo me titulando escritora...

Sempre tive alguns probleminhas com extremismo de sentimentos, feliz de mais, louca de mais, triste de mais, depressiva quase suicida. Gosto de sentir a fundo cada alegria e cada dor. As dores são boas e nos impulsionam a criar. Eu gosto de criar na dor. As ideias fluem numa velocidade impressionante, meus dedos escorregam no teclado que nem marca mais as teclas. É vômito. Vômito que poucas vezes eu preciso jogar fora, na maioria das vezes viram remédio.

Este texto é um vômito. Mas é um vômito que não sei identificar de onde vem a dor. Não existia dor a ponto de provocar ânsia. Há muitos meses eu vivo sem dor, apenas com doses de ocitocina. Tudo lindo, tudo bem, nada incomodava tanto. Mas uma pessoa que sempre viveu em altos e baixos emocionais, será que conseguiria se estabilizar permanentemente? É auto-destrutivo, nós procuramos essa dor. É como o ciume doentio que acaba criando situações, de tanto acreditarmos.

O que aconteceu comigo é que eu ando tão feliz, tão tranquila e segura que as coisas não me incomodam tanto, mas no fundo elas foram se armazenando um pouco e eu acabei desmonorando sem um grande motivo. É uma das coisas mais loucas e mais emocionantes que me aconteceu nos últimos tempos. No momento é inexplicável o misto de dor e gozação de mim mesma que eu sinto dentro de mim. E será inexplicável porque esses sentimentos duram um curto tempo, como efeito de uma droga. No fundo é ilusão.

Acho que as vezes eu preciso desses pedaços de ilusão, uma fatia ou duas. Deixa amortecer e aquecer a garganta, aquece o choro, lava a alma. Alma lavada! Descobri o que eu precisava, lavar um pouco a alma, é tanto sapo que a gente engole, não dá pra se manter puro o tempo todo.

Esse foi um momento de desabafo, vômito escorrido, não revisado. Me sinto muito bem agora, consigo raciocinar melhor. E o melhor de tudo, é que o final tem uma gargalhada, arrancada no meio do choro por quem eu quero bem.

Eu estou emocional e isso não é tpm. É sinal de vida nas minhas veias, é sinal de força pra seguir em frente.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Eu preciso começar a andar com um bloco de anotações pendurado no pescoço.
Ideias muito legais surgem, e depois quando pego a caneta ou sento no PC pra escrever nada vem igual. Ontem tive um insight muito massa, mas nem lembro direito o que era.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Você atrai o que pensa, você é o que come, você é o que faz... Você vive em função dos outros. Você, você, você! Os outros, os outros, os outros. Nada é o que parece, ou parece o que não é. Na verdade é tudo muito confuso e ao mesmo tempo fácil de decifrar pra que lado o mundo gira. Você entende? De novo você no parágrafo.
E eu? Onde fico eu e minhas vontades? Onde é que eu posso realizar todas as minhas vontades sem dever satisfação a um superior? Trabalhe, o trabalho dignifica o homem. Você passa anos na escola, mais um pouco de tempo na faculdade e quando você acha que está livre das ordens de alguém, do teto dos pais, você ganha um chefe, um superior. A quem deve satisfações durante toda semana.
E esse é o ciclo da vida. Este também é o estímulo, para que um dia, quando você já estiver velho de mais para trabalhar, possa fazer o que quiser com as horas do seu dia. Mas talvez ai já seja tarde de mais para você aproveitar essas tardes de vagabundagem. É por isso que eu tenho um estímulo para trabalhar, juntar minha grana e curtir minha vida enquanto ainda vale à pena aproveitar a “juventude”. Mas é claro que eu não quero aproveitar isso tudo sozinha, ser sozinho é muito chato, depressivo. Faça amigo, alimente as amizades verdadeiras, tenha um amor. Aproveite a fundo todas as fases da sua vida. Estou buscando por isto agora.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Ok, esta noite escreverei muito.
Esta noite deitei sozinha em minha cama, o cheiro dele ainda estava lá, então, pude relembrar de nossos momentos juntos.
O cheiro dele me entorpece e me acalma, o sorriso visto de tão perto me deixa mais feliz, ele tem um lindo sorriso e saber que é meu me deixa mais feliz ainda. Me lembrei dos toques sutis, dos arrepios que ele me faz sentir.
O toque dele me embala no sono mais tranquilo que eu posso ter, perto dele não tenho medo de nada e também nada, em lugar algum, consegue me chamar mais atenção. Toda tranquilidade que eu posso ter está ali, a tranquilidade sorri pra mim.
São momentos que me deixam marcas que eu gosto de ter, gosto de olhar pra elas e saber que estão ali, mordidas de amor não doem.
Curtos fios de cabelo enfeitam minha cama. São as lembranças dele, até que novos fios venham ser esquecidos por aqui novamente.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Sair sem ele é como se faltasse alguma coisa.
É como se faltasse rítimo, tudo fica tão chato.
Mas é fato que não podemos viver grudados e dependentes,
nenhuma dependência é boa.
Não quero ter que ficar, algum dia, em abstinência.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Meu companheiro, meu parceiro,
Meu beijinho doce de manhã.
A aventura da madrugada,
o abraço quentinho do meu sono.
O calor do meu corpo,
meus arrepios e suspiros.
Meu encaixe,
peça do quebra-cabeças.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Um, dois, três, quatro... As vezes o tempo parece uma eternidade. O relógio, já cansado, anda muito devagar. Meus olhos estão vidrados, fixos, em contagem regressiva. O tempo sacaneia, sempre contrariando nossa vontade. Os minutos mais vazios são sempre uma eternidade.
Ao contrários dos minutos mais cheios, os minutos que transbordam. Todo aquele tempo que meus olhos se movem, guiados apenas pelo seu movimento. Esse tempo passa rápido, esse tempo voa. Voa alto, é intenso e tudo que eu quero é repetir, pra poder memorizar melhor cada detalhe.
Agora aprendi a preencher melhor os minutos vazios, fazendo das lembranças a minha inspiração. Enquanto o tempo não passa, vou escrevendo uma história. E ainda sobra tempo pros pequenos textos, como este, que transbordam de você.
Nunca imaginei que seria assim.
Nunca é de mais. Na verdade, eu sempre quero mais.

Você me surpreendeu, logo eu.
Eu que sempre fui tão firme, segura e até um pouco fria.

Certamente levou embora meus medos.
E eu também quero levar pra longe todos os seus.

domingo, 10 de maio de 2009

To enrolando pra escrever.
Vontade imensa de digitar e digitar, mas são muitas informações, e muitas coisas legais pra contar. Acabei ficando meio sem foco.

Míope!

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Um dia sem o seu sorriso, é um dia sem cor.
A cada dia que passa, ganho uma caixa de lápis de cor.
Fica até meio brega, essa rima com flor.
Mas o que posso fazer, breguice é amor.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Obrigada por esses dias tão maravilhosos.
Por fazer questão da minha presença, por me arrancar um baita sorriso falando que me adora, quando eu estava tão cansada da viagem que mal conseguia abrir os olhos.
Por ser meu parceiro, por não mudar quem você é.
O ciúme é amarelo, a cor do meu desespero. Pensamentos criados em minha mente, que acabam se tornando reais. Colhe o que se planta, acha o que procura, até mesmo quando não existem motivos reais.
É a lei da atração. Você atrai aquilo que pensa, seja positivo ou negativo. Ultimamente tenho procurado afastar qualquer pensamento de ciúme ou possessividade. Nunca fui tão tranqüila em um relacionamento, nunca fui tão confiante quanto eu venho sendo. Acho que é isso que vale, confiar em uma pessoa. Não é justo não dar essa chance.
No começo é bastante difícil afastar os pensamentos negativos, até aprender o jeito certo de atrair coisas boas a gente erra um pouco, mas depois se torna muito fácil.
Depois pretendo entrar em outros méritos e aprofundar o assunto, por enquanto estou rascunhando.

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Te dou o que você quiser.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Estou andando na multidão.
As pessoas dançam freneticamente,
isto me incomoda um pouco.
Estou remando contra a maré,
eu apenas quero chegar lá.
A música está alta,
Mas a banda é muito boa
Eu continuo andando e procurando.
Está escuro, ao mesmo tempo as luzes piscam muito rápido.
Isto me deixa tonta.
Meu copo de plástico já foi amassado várias vezes.
A música fica cada vez mais alta,
e fica cada vez mais difícil chegar mais perto.
Acendo um cigarro.
Com tanta gente dançando e esbarrando em mim,
fica um pouco difícil obter equilíbrio.
Sem querer nossos olhares se encontraram.
Ele continuou dançando, eu fiquei observando.
O jeito louco como ele dança me surpreendeu.
Ele é engraçado e me fez rir,
de repente, todas as pessoas suadas sumiram do meu redor
nada mais importava.
A cerveja derramada no pé, na sandália nova.
O cigarro apagado por um braço qualquer.
A noite ficou simplesmente mais alegre
e ele nem precisava estar tão perto
bastava saber que ele estava lá.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

estou tomada pelo seu pensamento
e sei que tudo isso é verdade
você se tornou meu vício
estou tão presa a você

eu mal consigo me mexer
eu gosto disso
é tudo por sua causa
você é a minha melhor droga

terça-feira, 7 de abril de 2009

Amor da minha vida
Daqui até a eternidade
Nossos destinos
Foram traçados na maternidade

Paixão cruel desenfreada
Te trago mil rosas roubadas
Pra desculpar minhas mentiras
Minhas mancadas

Exagerado
Jogado aos teus pés
Eu sou mesmo exagerado
Adoro um amor inventado

Eu nunca mais vou respirar
Se você não me notar
Eu posso até morrer de fome
Se você não me amar

E por você eu largo tudo
Vou mendigar, roubar, matar
Até nas coisas mais banais
Prá mim é tudo ou nunca mais

Exagerado
Jogado aos teus pés
Eu sou mesmo exagerado
Adoro um amor inventado

E por você eu largo tudo
Carreira, dinheiro, canudo
Até nas coisas mais banais
Prá mim é tudo ou nunca mais

Exagerado
Jogado aos teus pés
Eu sou mesmo exagerado
Adoro um amor inventado

Jogado aos teus pés
Com mil rosas roubadas
Exagerado
Eu adoro um amor inventado
O telefone tocou no meio da noite. Um número estranho. Eu já sabia, era ele.
Um sorriso se abriu, todo mau-humor de ser acordada durante um sono profundo desaparece quando é ele. Uma ligação rápida, era só pra avisar.
Ele é especial, ele me faz sentir especial.

"He is in my heart heart heart,
I don`t wanna miss miss miss,
He makes me laugh laugh laugh,
I want to make him happy happy happy..."

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Ontem foi um dia lindo! Só nós dois.
Depois de tantos desencontros, ainda deu tempo de curtir. Nosso primeiro momento.
Você me deixa feliz.

domingo, 5 de abril de 2009

Ela não queria frear a vida dele, queria apenas fazer parte dela.
Ela não queria que nada mudasse, se adimirava com o rítimo dele.
Ela jamais conseguiu olhar para outra pessoa, tudo que fazia era pensando nele.
Um dia, até pensou que era tudo superficial e que conseguiria se afastar. Mas bastou ficar sozinha e seu coração lhe dizia que sem ele não poderia viver.
Havia uma escolha, ela esperava pela resposta. A felicidade dela dependia daquilo, ela também queria fazê-lo feliz.
Houve um bebê. Quando souberam da existência, já não existia bebê algum. Ela sentiu dor, mesmo sabendo que as consequências seriam muito piores. Ela queria dar isto a ele.
Ela achava que ele era a pessoa moldada para ela. Imaginava que não existiria rotina, queria ser acordada com um beijo de chegada, enquanto, ao nascer do dia, ela se preparava para a sua solitária rotina. Ele tinha a dose certa de emoção para a vida dela, ela não se importava com nada que ele fizesse, desde que seu coração pertencesse apenas a ela.
Agora ela sente dor. A consciência do filho que não existiu e a espera por uma resposta. A esperança de ser autorizada a fazê-lo feliz. A esperança de que ele deixe o medo e aceite tudo que ela tem para oferecer.

sábado, 4 de abril de 2009

You got me confused.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Você é o cara que eu tenho vontade de ver todos os dias, como jamais tive de nenhum outro.
Você é o cara que faz as palavras engasgarem na minha garganta, ainda com receio de expor todos os meus sentimentos.
Você é o cara que eu não vou desistir na primeira oportunidade e trocar por outro.
Você é o cara que me mostrou que quando a gente gosta, não tem essa de não querer ver quase todos os dias.
Você é o cara que conseguiu me surpreender quando eu menos esperava.
Você é o cara que eu vejo como pai do meu filho, como jamais nenhuma outra imagem se mostrou tão nítida.
Você é o cara que mudou meus conceitos sobre relacionamento, mesmo tendo um jeito incomum como o meu de se relacionar.
Você é o cara que me inspira, e ao seu lado minha vida mudou positivamente.
Você é o cara dos meus sonhos, que me corrige na medida certa e me acompanha sem sufocar.
Você é o cara, que por mais que pense que não, encaixa certinho comigo.
Você é o cara que eu não preciso fingir, você é o cara que faz meus gritos serem de verdade.
Você é o cara que eu vejo dançando a minha música enquanto eu estou no palco.
Você é o cara que eu sei que vai me acompanhar nas minhas viagens.
Você é o cara que sabe me ver como menina e como mulher.
Você é o cara errado que apareceu na hora certa e se tornou o cara perfeito.
Você é o cara que faz com que meus dias em casa sejam mais gostosos, você é o cara que qualquer lugar vale a pena.
Você é o cara a quem eu quero bem e nunca jamais pensei em magoar.
Você é o cara que eu tenho vontade de responder a todas as perguntas sem medo, mas ainda penso com cautela.
Você é o cara que fez meu coração mudar de rítimo, como não sentia há uns 7 anos.
Você é o cara de cabelos cacheados, rítimo louco de viver a vida, que mudaria a minha, que uma mulher um dia me parou e disse.
Você é o cara que a primeira vista eu mal prestaria atenção.
Você é o cara que me deu uma flor do portão.
Você é o cara que não me sufoca.
Você é o cara louco, que adora lugares inusitados, que me deixa com medo e ao mesmo tempo excitada.
Você é o cara que eu nem ao menos tenho seu telefone.
Você é o cara que eu tenho vontade de agradar, que eu até já cozinhei, o único.
Você é o cara do sorriso simpático que minha mãe já odiou e hoje ela gosta.
Você é o cara que minhas amigas ainda não colocaram defeito, mesmo sendo louco.
Você é o cara que me machuca, deixa marcas no meu corpo, que doem e me alegram.
Você é o cara sem juízo mais ajuizado que eu já conheci.
Você é o cara que eu quero ficar, que eu tenho medo de falar, porque é uma coisa que eu nunca cotei para minha vida.
Você é o cara que eu sei que juntos ainda seremos independentes.
Você é o cara que eu sei que não existirá rotina.
Você é o cara do beijo doce.
Você é o cara da conchinha aconchegante.
Você é o cara que eu sei que vai entender se eu quiser dormir sozinha um dia.
Você só precisa ser o cara que vai deixar eu ter a liberdade sem medo de te sufocar e falar tudo que eu sinto.
Cinco letras.

quinta-feira, 26 de março de 2009

eu gosto da sua companhia. gosto de você.
gosto do jeito como passa sua mão pelo meu cabelo.
eu gosto quando me morde. gosto das suas marcas em mim.
gosto do jeito como olha pra mim e me faz sentir especial.
eu gosto das dúvidas que você me deixa. gosto de me importar com você.
gosto do jeito que você me previne pra não me apaixonar.
eu gosto desse rítimo de aventuras discretas. gosto de não saber quando.
as vezes não gosto de alguma coisa, e não gosto de não conseguir falar a respeito.
eu gosto mais do que não gosto. não sou tão negativa quanto você pensa.

quarta-feira, 25 de março de 2009

é sim. seu beijo me mata.
faz eu perder a noção de qualquer coisa.
me enfeitiça, envenena.
tem um gosto doce, que eu jamais encontrei em nenhum outro.
é único.
é encaixe.

entendeu?
Tô triste, desde ontem a noite.

quarta-feira, 18 de março de 2009

Hoje não tem textos elaborados. Hoje é estilo "diarinho". I'm happy, I'm happy, I'm very happy. Aos poucos tudo se encaixando e tudo se realizando. Estou super contente no aspecto profissional, gosto do que estou fazendo, gosto da credibilidade das pessoas em mim, gosto da babação, gosto da correria, gosto da irritação.
Hoje queria sair e explodir, comemorar qualquer coisa que fosse. Mas tenho reunião bem cedinho. Gosto disso também.
Chega de gritar a felicidade, pois a inveja tem sono leve.

terça-feira, 17 de março de 2009

Nós fomos pegos. Fomos condenados. Sentenciados a controlar nossos impulsos, a agir como pessoas normais. Mais uma vez, mais um dia, a nossa falta de controle nos levou a graves consequências. Teremos que ser mais criativos daqui pra frente. Andaremos na noite como gatunos, andaremos pelas sombras para que ninguém nos veja. Inventaremos histórias e despistaremos todos os demais. E a cada dia, cada nova aventura eu me prendo mais e mais. Você alimenta minha mente, exatamente do jeito que eu espero, surpreendendo.
I've got a fever, come check it and see
There's something burning and rolling in me
We may not last, but we'll have fun till it ends
C'mon baby, be my bad boyfriend

I want to hear you call out my name
I want to see you burn up in flames
Keep you on ice so I can show all my friends
C'mon baby, be my bad boyfriend

So ripe, so sweet - come suck it and see
But watch out, daddy, I sting like a bee
I know some tricks I swear will give you the bends
C'mon baby, be my bad boyfriend

My fever's rising, you ran into luck
Say what, sugar? You want to get what?
I'm going to give you one hundred and ten
C'mon baby, be my bad boyfriend

It's wild the way you tease me
It's wild the way you free me
It's wild the way you reach me
Wrapped me up in your wire from the start

You've got the women waiting in line
I'm not asking you to make up your mind
But I can make you happy at least now and then
I've got something special for my bad boyfriend

If you can't love me, honey, go on, just pretend
I've saved something special for the very end
If you can't love me, honey, go on, just pretend
C'mon baby, be my bad boyfriend

Bad boyfriend (Garbage)

domingo, 1 de março de 2009

Sob as estrelas. A noite se despediram do portão. Ele deu as costas e seguiu. Eu ainda posso sentir o cheiro dele em meu corpo. Dormir se tornou uma tarefa difícil. Eu abria os olhos e podia ver as estrelas no teto do meu quarto. E ao fechar os olhos, era como se revivesse tudo novamente. O sereno refrescando nossos corpos. Ele estava em anestesia e eu estava em sinestesia total, sentimentos e sensações.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Conto, ainda incompleto.

Era um dia quente. Ela transpirava muito, todos notavam sua alteração. Tudo aconteceu por acaso. Os olhares se cruzaram e eles se entenderam sem que nada precisasse ser dito. Foi impossível contar o tempo. Quando voltaram a si, tudo já estava em silêncio, todos haviam partido. Uma noite longa. Ela precisava de um fim. Foi estranho.

Um novo dia nasceu. Eles se entenderam. Ela tinha sede. Não há porque ter pressa. Os lençóis pegavam fogo. Ele não tinha medo. Ela, medo de si própria. Se alimentavam de água e fumaça.

Excessos. Entre suas diferenças, mais coisas em comum. Você entrou rápido em minha vida, e eu gostei. Os dias passam mais depressa, as noites são mais curtas ainda. Minhas pernas se renderam e estavam molhadas de alegria. Talvez eu nunca mais durma novamente. Seu beijo é a morte. Doce como um veneno deve ser para atrair sua vítima. Meu portal da morte.

A conexão. Tudo que os liga os mata. Não se conhecem porque não conhecem a si próprios. Ele quer tudo muito rápido, tudo muito intenso naquele momento. Ela não tem pressa, quer que tudo seja perfeito e a satisfaça plenamente. É uma balança tentando se equilibrar, mas ainda há muita turbulência.

Eu te odeio. Odeio por não conseguir te odiar. Odeio por você me dar exatamente o que eu preciso.

O beijo da morte. O beijo mais doce que eu já experimentei. Às vezes me entorpece e me deixa tonta. Faz perder o chão por alguns segundos. Eu acho que gosto. Gosto de me perder. Mas acho que não gosto quando me adormece com seu beijo envenenado. A entorpecência das suas veias colide com minha vontade de sentir tudo com intensidade.

Os defeitos. Ela tem o coração trancado. Sempre age com cautela quando se trata de sentimentos. Apesar de gostar de intensidade. Ele vive de excessos. Se satisfaz com curtas doses de prazer. É tudo muito rápido.

O fim. Nos encontraram no quarto. Era um cômodo tão pequeno. Iluminado apenas pela luz do sol. Uma cortina velha balançava na janela. Haviam restos de chocolate pela cama. Copos de plástico com água, metade cheio. Uma carta sobre o criado-mudo. Escrita com letras douradas.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Obviamente tudo vêm tomando uma dimensão maior. Mas ambos não querem se entregar completamente. Existem momentos que tudo é tão intenso! Não tememos nos entregar de mais. Em outra parte do tempo ficamos pisando no freio.
Como posso tentar decifrar seu medo, se nem ao menos sei qual é o meu?
Te conheço tanto e tão pouco.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Encaixe.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Eu gosto das sensações físicas que ele me faz sentir. Ficar perto dele é difícil, vontade quase incontrolável de atacá-lo. Mas coloco a cabeça no lugar e tomo juízo por nós dois. Ele acha que eu não gosto de algumas coisas, mas ele nem imagina o quanto eu ainda me seguro perto dele. Deve me achar uma chata, mas me esforço muito pra negar algumas coisas.
Vou me segurando em todos os sentidos, sexuais e emocionais. Acho que ao todo temos um encaixe legal, a companhia é agradabilíssima. Tanto pra passar horas conversando ou horas sem trocar uma palavra. E a gente ainda nem se conhece tão bem.
Ele tem o incrível poder de ser meigo comigo, sem ser grudento. Adoro quando ele se preocupa. Ao mesmo tempo ele tem picos de loucura e falta de misantropia, às vezes acho que se ele insistir só mais um pouquinho eu aceito as propostas loucas no meio da rua. Tenho certeza que eu breve eu conseguirei agradá-lo muito mais. Só acho que ainda devo ir devagar.
Na balada ele é quase meu par perfeito. Não fica grudado, dança, se diverte, interage, é simpático... Porém, eu senti ciúmes. Não contei pra ele o quanto eu senti ciúmes, nem vou... Nem eu acredito que senti ciúmes.
Ainda não sei o que o torna diferente de todos os outros, diferente de todos mesmo. Eu o vejo quase todos os dias desde o primeiro dia que ficamos e ainda não enjoei dele. É confortável. Sinto falta de certos momentos. Seria mais perfeito se tivéssemos mais privacidade.

Ele me fez esquecer em menos de 24h a paixonite que mais me machucou em toda minha vida. Em um dia meu coração sangrava, no outro eu descansava nos braços dele e depois nunca mais sofri pelo outro cara.

Me preocupo bastante com ele, mas não demonstro. Ele é grandinho, sabe o que faz e não adianta eu ficar falando. Às vezes alguma coisinha escapa, mas eu tento parecer não me importar. Não sei se é o certo. Acho que ele nem imagina o quanto eu sou prestativa, boazinha com meus amigos, etc. Até eu me assusto comigo tentando ser mais relax com ele. hahaha

Tenho certeza que nos divertiremos bastante, ainda mal tivemos oportunidades de sair pra lugares diferentes. Ele me conhece bem pouco, conhece mais meu lado normal. Que é minha fase agora, tranquila sem excessos. Menininha. Me conheceu na fase mais largada visualmente. Ele nem imagina o quão perua eu sou. Aquela que não vivia sem a unha estar impecável, ele tbm nem imagina q seja a mesma pessoa. E justamente ele repara nessas coisas.

Tá ótimo assim, faltam pequenas coisas pra ficar ainda melhor.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Quando nós ultrapassamos as pessoas que um dia admiramos. Difícil explicar o sentido da frase, mas é quando cai a popularidade daquelas pessoas que um dia foram nossa inspiração, motivo de admiração, os top do grupo. Em um dado momento eles ficam ultrapassados e chega nossa vez de caminhar.
Este é o momento que conhecemos um lado egoísta e invejoso dos, até então, amigos. A implícita vontade de dizer que estamos no caminho errado, que estamos vivendo como adolescentes e bla bla bla. Inveja da nova turma?

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Me faz perder o juízo. Me faz sentir insana, cometendo erros tão adolescentes.
Seu simples toque me leva à loucura, o lugar não importa. Não importa quem está ao redor, todos os outros desaparecem. Ninguém importa.
Você se tornou meu vício, sobressaindo-se de todos os demais. De você eu tiro o aprendizado que sempre quis ter, mas sempre julguei desnecessário passar. Eu não quero colocar regras em sua vida, quero te observar, te escrever.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Docemente, me acompanhou de mãos dadas hoje.
Foi como se adivinhasse as minhas necessidades, hoje eu não queria ficar só. Seu telefonema me interrompeu o sono, alguns minutos depois caminhávamos de mãos dadas. Me trouxe até a porta, sem nenhuma razão.
O curto percurso ficou ainda mais curto, eu queria que durasse um pouco mais. Simplismente nós, de mãos dadas.
E você que dizia não ser bom pra ninguém. Agora não sei responder se foi você que me mudou ou foi eu quem mudou algo em você.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Agora é proibido, tem gosto de perigo. Eu gosto, me assanha. Estratégias e planos quase infalíveis. Assim fica tudo mais divertido. Nosso tempo sempre em contagem regressiva. O relógio é inimigo, o telefone não pode tocar. Você sobe pela janela e eu preciso abafar meus gritos.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Não me jogue suas juras do portão. Eu gosto do mistério e do incerto.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Família

Não família de sangue. Mas aquela família aos poucos escolhida e lapidada com o coração. Amigos muito unidos, que se fosse possível ficavam juntos todos os dias.
Tá tudo muito bom!! Minha família do coração, com novos membros muito bem-vindos.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Copa 2014

Na boa, Campo Grande não tem a menor estrutura para receber nenhum jogo da Copa de 2014. Não é uma simples questão de construir/reformar o estádio de futebol. É a reestruturação de toda cidade. Nosso trânsito ainda não está pronto para receber abruptamente milhões de pessoas para um grande evento. Os hotéis têm grande deficiência, um pouco de atendimento e também falta de estrutura para receber muitas pessoas. Já foi visto em eventos infinitamente menores que a estrutura para receber turistas ainda é pouquíssimo desenvolvida. E serão necessários muito mais que quatro anos para tornar nossa capital apta a esse grande evento.
Bom, é claro que o evento trará um desenvolvimento acelerado, já estimado em 50 anos. Incluindo aumento de criminalidade, não dá pra não pensar no aumento de coisas negativas. E, particularmente, não é bem isso que eu quero. Não é isso que caracteriza a cidade.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Muitas coisa acontecendo em um tempo muito curto de espaço de tempo. Há uma semana, eu achava que tudo estava perdido. Mas foram um pouco mais de 7 ou 8 horas de duração. Toda dor se escondeu, acredito que não tenha desaparecido ainda, só não tenho tido tempo pra pensar muito nela.
Distração. Sempre a distração. Eu sempre me distraio, de vários modos. Ou, pelo menos, finjo me distrair.
Ao menos, tá tudo muito bom. É claro que nada pode estar 100% maravilhoso, seria fácil de mais. Mas tá 99%. To muito feliz, acho que isso ajuda na distração da dor. Sem contar novos sentimentos surgindo. Valores. Uma pessoa que te valoriza é sempre bom.

domingo, 11 de janeiro de 2009

São 11 dias de 2009 até agora. Eu sinto como se tivesse vivido vários anos nestes poucos dias. As amizades estão intensas, as farras estão intensas, a irresponsabilidade está intensa, os sentimentos estão intensos...
Quase tudo 100%. Quero muito que amanhã, segunda, tudo fique melhor ainda pra mim! Pensamentos positivos!! Algumas outras coisas já não me afligem tanto, eu consigo superar!!

sábado, 10 de janeiro de 2009

Money, is a GAS.

Sair todos os dias da semana emana um gasto de dinheiro não calculado. Vou ter que me controlar bem agora. Ninguém precisando de restaurações fotográficas? hahahaha
Bom, o negócio que tá me pegando hoje é ter "arranjado" um emprego. Legal, até o ponto que o emprego é, novamente, em outro estado. Lá na capital federal. Cada vez mais sinto que meu lugar não é aqui, já haviam me dito isso. Eu também sei disso, mas sinto que não é o momento ainda de sair de novo. Mais um pouquinho, tem minha pós também. Só sei que aqui não é meu lugar. Opções de lugares não me faltam.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Amigos

Tem amigos que são mto bons em nos acalmar.
Tipo:
Douglas diz:
calma
Kaká diz:
onde ja se viu...
Kaká diz:
kkkkk
Douglas diz:
vc é uma pessoa normal

Diz que eu sou normal. Quero me prender a isso! hahahaha

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Divã

(Segue texto sem revisão, se eu reler acabo não postando)

É só abrir a página em branco pra começar a escrever que tudo vai embora. Há segundos atrás eu pensei “Tenho que escrever isso no blog”, agora não tenho noção do que era. Enfim, muita coisa rolando nesses tão pouco dias de 2009.
Momentos extremamente eufóricos de festa e boas companhias e alguns momentos dramáticos, mas apenas quando estou sozinha e fico pensando de mais. Idas e vindas ao blog, posts escritos e apagados. Medo de exposição? É assustador não saber o que fazer, pensamentos atormentando, ideias que as vezes parecem maravilhosas e as vezes parecem muito forçadas ou bregas.
Estou recorrendo a todos, contando e recontando a história pra ouvir opiniões. Mas tudo sempre é positivo, meus amigos certamente vão me colocar pra cima. E hoje, ouvi a primeira pessoa que não me disse mil maravilhas, foi totalmente racional e eu agradeço. Nem negativa nem positiva, mas era o que eu precisava, de uma dose de verdade sem flores e histórias pedindo por finais felizes. É o suficiente pra eu conseguir aguentar mais um tempo sóbria, sem me iludir positivamente ou negativamente. Talvez amanhã eu entre no assunto novamente. Eu preciso de um chão de realidade. São dias com hormônios percorrendo as veias que dá pra sentir. Sai do coração e percorre todo o corpo. Gelando. Arrepiando. É quase inexplicável e traz picos de felicidade e de dor. Felicidade pela doce ilusão, esperança. Dor pela auto-mutilação que é necessária para afastar os bons pensamentos e manter os pés no chão. Tudo isso até que eu consiga realmente tomar uma atitude e ir em busca das minhas respostas.
Ah a auto-mutilação. São os tapas na cara na frente do espelho, são horas na frente do computador procurando por sinais, respostas óbvias que eu talvez não quisesse enxergar. São os pensamentos dizendo: “não se iluda pois depois a dor é pior...”, são as respostas encontradas paras as “mudanças ocorridas”.
Tudo está tão complicado porque é algo que eu nunca senti. Nunca aconteceu de forma tão intensa e tão platonica. O medo da dor posterior anestesia a vontade de acabar logo com a incerteza. Alguma coisa me deixa tensa, sem conseguir falar pessoalmente o que eu ensaio. Enquanto faz frio eu transpiro. Falo sem parar, abro minha vida, só não saem as palavras que abririam a ferida que eu já fiz no meu coração. As palavras que realmente importariam, que seriam decisivas. De certa forma, algumas de minhas cartas já foram dadas. De maneira estranha, mas foram.
Queria que fosse possível pausar um sentimento, pra respirar um pouco. Por mais que eu procure me distrair, quando me distraio me pego suspirando, sorrindo, chorando... Perdida no verde-esmeralda hipnotizante.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Ano novo!

Eu ia fazer um post contando sobre a festa. Mas passou e é melhor mesmo deixar apenas na memória. Alguns detalhes só vão lembrar quem estava lá, alguns outros detalhes só vai saber pessoas a quem muito se confiar.
hahaha